sábado, 11 de dezembro de 2010

Os Amantes





Qualquer dia, qualquer hora
Agente se encontra...
Seja onde for,
Pra falar de amor...

Pra matar a saudade da felicidade,
Dos instantes que junto passamos
E promessas juramos...
Reviver os momentos de sonhos e de paixão
Das palavras loucas vindo do coração

Meu amor já se que pudesse te abraçar agora
Poder parar o tempo nessa hora
Pra nunca mais ver você partir.

Música: Os Amantes
Autoria: Sidney da Conceição / Lourenço / Augusto Cesar

Interpretação: Luiz Ayrão
 

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010




Quando sentires a Saudade





 
Quando a saudade retroar
E os teus olhos lacrimejar
Sonhas os sonhos dos saudosos
Procura em tua memória os fatos
Que te fizeram ali chegar
E lembras .....
Que mesmo em tua memória congestionada
Saudades é uma maneira de amar.


quarta-feira, 17 de novembro de 2010


Vou-me embora pra Passárgada


Manoel Bandeira

Vou-me embora pra Passárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Passárgada



Cecília Meireles
In Canções
De pequenos desejos,
vagarosas saudades,
silenciosas lembranças.

Entre mágoas sombrias,
momentâneos lampejos:
vagas felicidades,
inatuais esperanças.

De loucuras, de crimes,
de pecados, de glórias
- do medo que encadeia
todas essas mudanças.

Dentro deles vivemos,
dentro deles choramos,
em duros desenlaces
e em sinistras alianças...



De que são feitos os dias?

quinta-feira, 11 de novembro de 2010


Viagem a Portugal – José Saramago





“O fim duma viagem é apenas o começo doutra.
É preciso ver o que não foi visto,  ver outra vez o que se viu já,
ver na Primavera o que se vira no Verão,
ver de dia o que se viu de noite,
com sol onde primeiramente a chuva caía,
ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar,
a sombra que aqui não estava.
É preciso voltar aos passos que foram dados,
para os repetir, e traçar caminhos novos ao lado deles.
É preciso recomeçar a viagem. Sempre.
O viajante volta já.
 

terça-feira, 9 de novembro de 2010



Na minha memória




Na minha memória, tão congestionada e no meu coração tão cheio de marcas e poços você ocupa um dos lugares mais bonitos". (Caio Fernando Abreu)