quarta-feira, 28 de dezembro de 2011






Prisioneiro do tempo fui ficando...
De mim mesmo prisioneiro
Do passado que trago dentro de mim.

De ti todos os perfumes...
...Saudades de todos os momentos
Encantos transformados em saudades.

Tempos que navegam prisioneiros  da vontade da vida.

sábado, 24 de dezembro de 2011


Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam no livro que lês.
Quando fechas o livro,
eles alçam vôo como de um alçapão.
Eles não têm pouso nem porto;
alimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...

Mário Quintana


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011






"... E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente.
Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros.
Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram.
Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

Miguel Sousa Tavares

terça-feira, 20 de dezembro de 2011


 Hefil

“Se não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção.  -

domingo, 18 de dezembro de 2011



Saudade olhar da minha vida
Asas da dor e dos meus pensamentos
Gemidos abafados
Saudade do que já foi
Asas dos meus pensamentos.
Gemidos que não  acabam mais.
Voam ...

Documentário: Sobre a destruição da natureza pelo homem



Não...... o mundo não vai acabar,
a vida das pessoas sim vai acabar.
Portanto, não é o fim do mundo...
Ë o NOSSO fim.

Ao assistir o documentário desligar o som no play
ao lado direito ( mixpod.com ).
Dois clique no filme e poderá assistir em tela cheia e com tradução.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011


Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente

Vinicius de Morais


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011


Me acostumei a ser feliz e alaguei meu coração de esperança....
E agora !!!

Esp


sábado, 10 de dezembro de 2011




Grande interpretação de Andrea Bocelli em Ave Maria com lindas pinturas( Madona and Pieta de Michelangelo. Lindo !!! Lindo !!!



Ao assistir o vídeo poderá temporariamente desligar o play list  do blog no microfone  mixpod. com no lado diretio do mesmo.

 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011