domingo, 23 de dezembro de 2012




... Enchias de sorriso o ambiente por onde passavas.
Sorriso grande e largo que contagiava todo o ambiente...
Sorriso até barulhento... Enchias toda a sala...
Enchia-me de sorriso quando passavas...

Corretenza

sexta-feira, 23 de novembro de 2012





“... Um dia, não faz muito tempo estavas aqui.

Passam-se os dias e os dias, meses e anos...

 ...a noite vem e o dia vai-se... Mas a tua lembrança
estará sempre  presente.

Um dia não faz muito tempo...

Correnteza



“...mas uma sombra, ao menos, do que no fundo do nosso espírito  sabemos bem ser intraduzível, por exemplo...”

“...a emoção pura de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta, esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar na memória como o rasto de um sonho que o tempo não apagará por completo.”
                                      José Saramago

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

A Viagem


A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

domingo, 23 de setembro de 2012


Um dia tive uma estrela..
Um dia esta estrela partiu..
Uma estrela há sempre de existir, caminho em direção em que ela me aponta.
Onde estiveres será sempre lembrado minha estrela.

Saudades: 1 ano de tua partida para sempre.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Uma Estrelas


Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo.
José Saramago

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Um tempo que refaz


Pretendo descobrir no último momento
Um tempo que refaz o que desfez
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo outra vez.

Osvaldo Montenegro

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Conflito


Conflito


Silêncio veneno da dor
Dor latente  e sempre presente
Conflito entre a dor e a existência.
...
Correnteza

quarta-feira, 18 de abril de 2012


Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade.
Cora Coralina

quinta-feira, 12 de abril de 2012



Coração é terra que ninguém vê

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.

Semeador da Parábola...
Lancei a boa semente
a gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão

Coração é terra que ninguém vê
- diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,
- teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei...

Cora Coralina

sábado, 7 de abril de 2012



Dúvidas... muitas dúvidas
Procuro me escutar...
Procuro no silêncio encontrar respostas.
Que respostas....não encontro e continuo com minhas dúvidas.

...

segunda-feira, 2 de abril de 2012


Não posso dar-te soluções
para todos os problemas da vida,
nem tenho resposta
para as tuas dúvidas ou temores,
mas posso escutar-te
e repartir contigo.


quarta-feira, 28 de março de 2012

No silêncio



No silencio maior estou sempre sozinho
Angustia que me consome por não mais te ter
Sonhos perdidos no vazio do meu silêncio
...
Correnteza

sexta-feira, 23 de março de 2012


"Deixa-me um sinal
quando quiseres.

Uma pedra, uma estrela ou uma ave
um cheiro,
um aroma
ou um morango

Uma cruz
talhada na minha porta

Que o caminho eu acharei
encruzilhado
entre o gesto e o espanto

pressentido
entre o vácuo e o manto!
ou o mar !
ou o vento!
ou as velas do meu barco
parado algures
no inevitável
porto das esperas."

LuizaCaetano.

(Poetisa portuguesa.)

domingo, 18 de março de 2012



Foto: Andrade

Quedamos sempre sozinhos
Em nossas horas maiores

A dor, veneno latente,
Corrói-nos a alma em segredo.

A mais gloriosa alegria
Floresce na solidão.

Helena Kolody
In: Correnteza

quarta-feira, 14 de março de 2012


Todo o Sentimento
Chico Buarque e Oswaldo Montenegro
Desligar o son de fundo do blog no playlist


Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.
Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.

Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012






Todos os jardins deviam ser fechados,
com altos muros de um cinza muito pálido,
onde uma fonte
pudesse cantar
sozinha
entre o vermelho dos cravos.
O que mata um jardim não é mesmo
alguma ausência
nem o abandono...
O que mata um jardim é esse olhar vazio
de quem por eles passa indiferente.

Mário Quintana

sábado, 25 de fevereiro de 2012





Há um grande silêncio que está à escuta...

E a gente se põe a dizer inquietamente qualquer coisa,
qualquer coisa, seja o que for,
desde a corriqueira dúvida sobre se chove ou não chove hoje
até a tua dúvida metafísica, Hamleto!

E, por todo o sempre, enquanto a gente fala, fala, fala
o silêncio escuta...
e cala.

Mário Quintana
In: Esconderijos do Tempo
Foto: Rui Andrade

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Saudade



Saudade ausência doida
Ausência que dói e maltrata

Saudade do que não volta... dor que não mais para.
Saudade do tempo que não retorna.
Quisera eu parar o tempo, no tempo em que fui feliz.
Saudade não me maltrata...
....e  retorna para tempo de Eu feliz.

.....

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Mário Quintana  é um dos maiores nomes da literatura brasileira.



Nascido há 106 anos no Rio Grande do Sul, Mario Quintana iniciou sua carreira como tradutor, escritor e jornalista.

Devido a seu trabalho como tradutor pudemos conhecer parte da literatura universal traduzindo autores consagrados como Virginia Woolf e Voltaire.

Em 1939 teve a felicidade de ter um livro encomendado por Monteiro Lobato, além dele Mário Quintana tinha vários admiradores: Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira. 

Apesar disso, não conseguiu uma cadeira na Academia Brasileira de Letras.

Mas, esse fato não o abalou, pelo contrário, foi por causa disso que ele escreveu o famoso Poeminho do Contra:

Poeminho do Contra

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Dia 09 de Fevereiro dia do Frevo


Desligar o som de fundo no play list


O carnaval recifense possui uma música e uma dança carnavalesca própria e original, nascida do povo. De origem urbana, surgiu nas ruas do Recife nos fins do século XIX e começo do século XX. 

 O frevo nasceu das marchas, maxixes e dobrados; as bandas militares do século passado teriam dado sua contribuição na formação do frevo, bem como as quadrilhas de origem europeia. 

Deduz-se que a música apoiou-se desde o início nas fanfarras constituídas por instrumentos de metal, pela velha tradição bandística do povo pernambucano. O ritmo é bastante animado e famoso até hoje em todo Brasil.  

A palavra frevo vem de ferver, uma vez que, o estilo de dança faz parecer que abaixo dos pés das pessoas exista uma superfície com água fervendo.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

 Osvaldo Montenegro


Chico Buarque/ Osvaldo Montenegro

Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.
Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.

Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado t

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Um Dia

“ ...Um dia pensamos ser dono das coisas e de tudo....
Descobrimos quão frágil é a vida e quão vulnerável somos nos.
De que serve todos os bens adquiridos se um dia partimos.

Um dia acordamos e vimos que tudo que nós restou foram as lembranças daqueles que se foram e que amamos.

....... O importante verdadeiramente não se perde e fica assim a lembrança  para sempre.”

....

sábado, 28 de janeiro de 2012

História da Garota de Ipanema


A música Garota de Ipanema foi originalmente composta em 1962.
Vinícius de Moraes fez a letra da música Garota de Ipanema inspirado numa moça que passava freqüentemente em frente ao Bar Veloso em Ipanema.
Texto divulgado por Vinícius de Moraes em 1965:
A verdadeira Garota de Ipanema.

Seu nome é Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto, mas todos a chamam de Helô.

Há três anos ela passava, ali no cruzamento de Montenegro e Prudente de Morais, em demanda da praia, e nós a achávamos demais. Do nosso posto de observação, no Veloso, enxugando a nossa cervejinha, Tom e eu emudecíamos à sua vinda maravilhosa.

O ar ficava mais volátil como para facilitar-lhe o divino balanço do andar. E lá ia ela toda linda,
a garota de Ipanema, desenvolvendo no percurso a geometria espacial do seu balanceio quase samba, e cuja fórmula teria escapado ao próprio Einstein; seria preciso um Antônio Carlos Jobim para pedir ao piano, em grande e religiosa intimidade, a revelação do seu segredo.

Para ela fizemos, com todo o respeito e mudo encantamento, o
samba que a colocou nas manchetes do mundo inteiro e fez de nossa querida Ipanema uma palavra mágica para os ouvintes estrangeiros. Ela foi e é para nós o paradigma do broto carioca; a moça dourada, misto de flor e sereia, cheia de luz e de graça mas cuja a visão é também triste, pois carrega consigo, a caminho do mar, o sentimento da mocidade que passa, da beleza que não é só nossa - é um dom da vida em seu lindo e melancólico fluir e refluir constante.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Amália Rodrigues - Fado Lisboeta



Desligar o son de fundo no  playlist abaixo do perfil


Não queiram mal a quem canta
Quando uma garganta se enche e desgarra
Que a mágoa já não é tanta
Se a confessar à guitarra
Quem canta sempre s ausenta
Da hora cinzenta da sua amargura
Não sente a cruz tão pesada
Na longa estrada da desventura

Eu so entendo o fado
Pla gente amargurada à noite a soluçar baixinho
Que chega ao coração num tom magoado
Tão frio como as neves do caminho
Que chora uma saudade ou canta ansiedade
De quem tem por amor chorado
Dirão que isto é fatal, é natural
Mas é lisboeta
E isto é que é o fado

Oiço guitarras vibrando e vozes cantandona rua sombria
As luzes vão se apagando a anunciar que é já dia
Fecho em silêncio a janela, já se ouve na viela
Rumores de ternura
Surge a manhã fresca e calma
Só na minha alma é noite escura

Eu so entendo o fado
Pla gente amargurada à noite a soluçar baixinho
Que chega ao coração num tom magoado
Tão frio como as neves do caminho
Que chora uma saudade ou canta ansiedade
De quem tem por amor chorado
Dirão que isto é fatal, é natural
Mas é lisboeta
E isto é que é o fado

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A Alma



A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.

Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.



Rubens Alves

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Samaritana Fados de Coimbra


 
PS: Desligara  o fundo musical no play list lateral direita 
 abaixo do perfil

Dos amores do redentor
Não reza a história sagrada
Mas diz uma lenda encantada
Que o bom Jesus sofreu de amor.
Sofreu consigo e calou
Sua paixão divinal
Assim como qualquer mortal
Mm dia de amor palpitou.
[Refrão]
Samaritana plebeia de Cicar
Alguém espreitando te viu Jesus beijar
De tarde quando foste encontrá-lo só
Morto de sede junto à fonte de Jacob.
E tu risonha acolheste
O beijo que te encantou
Serena, empalideceste
e Jesus Cristo corou
Corou por ver quanta luz
Irradiava da tua fronte
Quando disseste ò bom Jesus
-'Que bem eu fiz, Senhor, em vir à fonte.'
[Refrão]
Samaritana plebeia de Cicar
Alguém espreitando te viu Jesus beijar
De tarde quando foste encontrá-lo só
Morto de sede junto à fonte de Jacob.